29/03/2009

Autobiografia sem factos

"Nasci em um tempo em que a maioria dos jovens haviam perdido a crença em Deus, pela mesma razão que os seus maiores a haviam tido - sem saber porquê.

E então, porque o espírito humano tende naturalmente para criticar porque sente, e não porque pensa, a maioria desses jovens escolheu a Humanidade para sucedâneo de Deus.

Pertenço, porém, àquela espécie de homens que estão sempre na margem daquilo a que pertencem, nem vêem só a multidão de que são, senão também os grandes espaços que há ao lado.

Por isso nem abandonei Deus tão amplamente como eles, nem aceitei nunca a Humanidade.

Considerei que Deus, sendo improvável, poderia ser, podendo pois dever ser adorado; mas que a Humanidade, sendo uma mera ideia biológica, e não- significando mais que a espécie animal humana, não era mais digna de adoração do que qualquer outra espécie animal.

Este culto da Humanidade, com seus ritos de Liberdade e Igualdade, pareceu-me sempre uma revivescência dos cultos antigos, em que animais eram como deuses, ou os deuses tinham cabeças de animais."
____________________

* Pedaço de Fernando Pessoa. In: "Livro do Desassossego".

6 comentários:

Karol disse...

adorei,sério.

"Por isso nem abandonei Deus tão amplamente como eles, nem aceitei nunca a Humanidade.

Considerei que Deus, sendo improvável, poderia ser"

exatamente por aí.

Jurandy Boa Morte disse...

Será que ele já havia lido Mann em `A montanha mágica´?

Desculpa invadir seu blog, mas não me contive... Bom espaço. Parabéns.

André Raboni disse...

Fica à vontade Jurandy.

Tem bastante coisa aí pelos arquivos.

Estou dando uma olhada no teu blog tb.

Abraço!

teu disse...

Massa, tbm gostei do texto.Faço parte de um geração que perdeu a fé em Deus, mas eu, por Graça, não foi atingido, por isso.
HAhaHAhaHAha, seu blog esta muito massa, parabéns.

JOSÉ RAFAEL MONTEIRO PESSOA disse...

Reconhecível pela poética nobre, pelos pensamentos fortes e pela genialidade intrínseca. Ótimo!

Luciana Cavalcanti disse...

De cara!!! E, aqui, tu sabes como me dói concordar íntima e radicalmente com essas linhas e angústias...