19/08/2009

Interlúdio do Papangústia

É.
Não, não é.
Será que quando vir a se ser, será?
Vai-te, que me fico no vão!
No delírio oco do meu não
É que teu sim entra assim:
Por um ouvido e sai pelo outro,
Olvido.

5 comentários:

JOSÉ RAFAEL MONTEIRO PESSOA disse...

Pô,Raboni. Escrever depois de fumar é f0da!

André Raboni disse...

IahAUIhaiuHIhUHAUIhauiH

E eu fumei nada, rapá! O meu "célebro" já é desorientado por natureza! Não precisa de fumaça.
:P

André Raboni disse...

Rafael,

Meus pêsames pela gata pretinha...
Abs!

Débora Andrade disse...

Eu vejo muito mais do que meras palavras. Algo tão forte que me dilassera enquanto leio.

Caio lima disse...

eu to ligado nessa papangustia!